Joelho

Luxação patelar: entenda o que é e como se prevenir dela

homem com a patela luxada

Durante a prática de atividades físicas, principalmente após algum trauma ou forte impacto na região, ou mesmo durante atividades rotineiras, algumas pessoas reclamam de dores no joelho e dificuldades para se locomover. Nesses casos, é possível que o paciente tenha uma luxação patelar. 

Mesmo não sendo uma patologia tão comum, ela requer um tratamento rápido para aliviar os incômodos e evitar problemas maiores. Uma patela fora do lugar, além da redução da mobilidade, pode indicar fraturas e lesões ligamentares.

Neste post, você vai saber quais são as causas e sintomas dessa luxação, conhecer os tratamentos existentes e como é feito o diagnóstico, além de entender a importância de procurar um ortopedista rapidamente. Confira!

O que é a luxação patelar?

A patela, também conhecida como rótula, é um osso de formato triangular, localizado na frente do joelho. É parte integrante do seu sistema extensor, junto com o quadríceps e o tendão patelar. Sua função é proteger as estruturas dessa articulação e ajudar na sua flexibilidade.

A luxação patelar ocorre quando esse osso sai de sua posição normal, ou seja, deixa de fazer contato totalmente com o sulco femoral (fêmur). No caso de um deslocamento parcial, há uma subluxação. É importante destacar que essas são condições clínicas raras, porém alguns pacientes podem desenvolvê-las com recorrência.

Quais os seus sintomas?

Uma dor intensa e aguda no joelho, acompanhada de inchaço, é o principal sintoma de um problema na patela. Muitas vezes a lesão é visível, por conta do deslocamento do osso no joelho. Em alguns casos, ocorre a presença de sangue na articulação e, dependendo da gravidade, o paciente encontra muitas dificuldades para se movimentar.

Quais as causas?

A luxação na patela pode ser causada por diversos motivos. Os mais comuns são os problemas traumáticos e os anatômicos, ou seja, quando o paciente já tem uma predisposição para o deslocamento desse osso. Confira algumas causas dessa patologia:

Trauma no joelho

Causado diretamente por uma pancada, o que provoca dor e inchaço. Deve-se procurar imediatamente um profissional para confirmar a extensão da lesão. Também é preciso analisar se houve apenas o deslocamento da patela ou se há alguma fratura ou anormalidade no ligamento.

Forte impacto

Mesmo que o trauma não seja diretamente no joelho, pisadas “em falso” e entorses também geram anormalidades na patela. Nesses casos, é comum que haja uma falta de preparo na musculatura do quadríceps, o que torna praticamente obrigatório o acompanhamento médico posterior, para evitar novas lesões.

Patela alta

Como o próprio nome sugere, algumas pessoas têm a sua patela localizada acima da posição normal. Isso gera uma instabilidade no joelho, que pode sair e voltar do lugar diversas vezes. É mais comum em mulheres, principalmente jovens, e pode ser consertado tanto com tratamento especializado, como de maneira cirúrgica.

Patelas mal alinhadas

Esse problema também acomete, principalmente, mulheres. Quando o aparelho extensor está mal alinhado, a chance de a patela se deslocar lateralmente, em até 60 graus, é grande. Espontaneamente o osso pode retornar ao seu local, mas há situações em que ele sai completamente do seu movimento natural, o que gera a luxação.

É necessária a procura de ajuda médica?

Procurar um especialista é essencial em caso de dores na patela, seja depois de um trauma, com dores agudas, ou com a recorrência do incômodo. Somente um médico é capaz de diagnosticar com precisão o problema, por meio dos exames necessários e também pelo conhecimento do histórico do paciente.

A redução, que significa retornar o osso ao seu lugar de origem, deve ser feita com rapidez. Porém, apenas um profissional deve realizar o procedimento, já que uma tentativa mal feita é capaz de agravar a luxação. O médico também poderá constatar se existe algum comprometimento do osso ou da articulação, o que indica a necessidade de uma intervenção cirúrgica.

Como é realizado o diagnóstico?

A luxação patelar é diagnosticada clinicamente. Por meio do exame físico, o ortopedista avalia os sintomas e confirma o deslocamento do osso. Outros exames realizados são a radiografia — para constatar se há alguma fratura e identificar as alterações na estrutura patela — e a ressonância magnética, que verifica possíveis lesões na articulação.

E a prevenção?

Como vimos anteriormente, a luxação pode ocorrer por um trauma no joelho, o que a torna difícil de prevenir. Porém, nos casos em que a anatomia contribui para o deslocamento do osso, é aconselhado um fortalecimento muscular em toda a articulação do joelho, para minimizar os riscos de novos problemas.

Segundo a Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte, a chance de uma nova luxação é de 17% em até cinco anos. Porém, após o segundo caso, essa possibilidade chega a 50% no mesmo período de tempo. Por isso, para aqueles que tiveram problemas na patela, é fundamental realizar exercícios específicos com acompanhamento profissional para diminuir essa chance.

Qual é o tratamento? 

O primeiro procedimento é reduzir o osso, o que diminui a dor do paciente e alivia o seu desconforto. O local é imobilizado por tempo determinado pelo médico, para que haja a sua estabilização. Posteriormente, o especialista pode optar por dois tipos de tratamento: o conservador e o cirúrgico.

No conservador, o médico prescreve repouso durante a imobilização, com o uso de medicamentos e de gelo, que auxilia na diminuição do inchaço local. Depois de alguns dias, o paciente inicia os exercícios de fortalecimento muscular, que reduzem o risco de novas luxações. O uso de aparelhos ortopédicos também é recomendado, como joelheiras especiais.

Porém, é possível que o especialista opte pelo tratamento cirúrgico. É o caso de algumas fraturas e lesões na articulação. Além disso, caso haja reincidência nas luxações, a cirurgia torna-se a melhor opção. Geralmente, ela é realizada por meio de artroscopia — procedimento pouco invasivo em que o cirurgião insere um tubo com uma câmera para reparar o problema. Além de rápida, a cirurgia também tem um tempo de recuperação menor.

Mais do que se informar, é fundamental procurar um ortopedista. Somente o profissional especializado poderá diagnosticar corretamente a lesão, além de indicar o tratamento ideal para o problema.

Vale destacar que a luxação patelar não é a única origem das dores no joelho. O rompimento no ligamento é outra causa comum de incômodos nessa articulação. Saiba mais sobre essa patologia clicando aqui!

Sobre o autor

DR. EDUARDO LOUZADA DA COSTA

DR. EDUARDO LOUZADA DA COSTA

CRM - MG 46.264

Graduação em Medicina na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Especialização e pós graduação em Cirurgia do Joelho (FELUMA), Mestrado em Cirurgia na Faculdade de Medicina da UFMG, Fellow em Sports Medicine na Stanford University (California - USA), Coordenador do serviço de Cirurgia do Joelho do Hospital da Unimed - BH. Preceptor da Residência Médica do Hospital da Unimed - BH.

Deixar comentário.

Share This