Saúde e bem estar

Afinal, o que é distensão muscular? Tire suas dúvidas aqui!

homem com distensão muscular

A distensão muscular pode ocorrer em tarefas simples do cotidiano, como subir uma ladeira ou limpar a casa. Além disso, ela é comum em práticas que exigem esforços excessivos, como em um jogo de futebol, corridas e demais esportes.

Ela ocorre quando um músculo se estica demais, o que pode levar a uma ruptura, dores e hematomas no local. Como existem diferentes graus de acometimento, é preciso saber identificar uma distensão e como proceder em casos de suspeita.

Assim, neste post você saberá o que é a distensão muscular, como identificá-la por meio de seus principais sintomas, suas causas mais comuns e como é o tratamento adequado. Confira!

O que é a distensão muscular?

Todo tecido é composto por inúmeras e pequenas células unidas. No caso dos músculos esqueléticos, essas células são chamadas fibras e têm a função de realizar a movimentação do nosso esqueleto.

Esse tecido tem grande potencial de contratilidade, é elástico (ou seja, regressa ao seu tamanho original após um movimento) e também conta com um bom grau de extensibilidade, o que confere ao músculo a capacidade ser estirado sem sofrer lesões.

No entanto, alguns movimentos são tão violentos e abruptos que podem ultrapassar o limite de extensibilidade do músculo, e, assim, causar lesões. Desse modo, a distensão muscular é o rompimento de algumas fibras musculares ou até do tendão envolvido. Em casos graves, o número de fibras rompidas é tão numeroso que o músculo pode, literalmente, se partir.

Ela é classificada em aguda e crônica:

  • aguda: ocorre quando os tendões e músculos de certo local anatômico realizam uma contração forte e repentina;
  • crônica: ocorre principalmente em atletas, como corredores e ciclistas, e praticantes de esportes competitivos, visto que o treino para essas práticas solicitam sempre o mesmo grupo muscular, de forma prolongada e repetitiva.

Quais são os principais sintomas?

O primeiro sintoma após uma distensão muscular é a dor aguda no local, devido ao rompimento das fibras musculares. Em seguida, se a parte afetada for a perna, a pessoa pode sentir dificuldade de locomoção devido a dor na área afetada, além de sensação de fraqueza muscular. Como o estiramento também é comum nos braços, essa área também pode ter seus movimentos limitados.

Outro sintoma comum é o aparecimento de hematomas. Isso ocorre porque as fibras rompidas estão em íntimo contato com os vasos sanguíneos. Assim, o seu rompimento propicia o extravasamento de sangue para o espaço entre o músculo e a pele, o que pode causar extensos hematomas, principalmente de cor arroxeada.

Toda lesão no organismo desencadeia diversos processos de defesa no nosso organismo. Uma delas é a reação inflamatória para atrair células do sistema imunitário, o que pode provocar inchaço e sensação de aumento de temperatura como efeito colateral.

Após identificar alguns desses sintomas, deve-se parar a atividade física imediatamente a fim de evitar maiores danos. Além disso, é recomendado realizar aplicação de uma bolsa de gelo envolvida em toalha fina no local para aliviar a dor, em intervalos de 20 minutos. Mas, se a dor persistir por vários dias, é preciso procurar ajuda médica para verificar o grau da lesão e definir a intervenção correta.

E as causas mais comuns?

Como mencionado, a causa do estiramento do músculo é a sobrecarga, ou seja, um esforço excessivo de contração. É comum que essa prática acometa atletas, visto que esses se submetem a atividades de grande intensidade e cansaço físico.

Porém, em pessoas sedentárias, atividades simples podem causar uma distensão muscular. É possível que o simples ato de escorregar cause esse fenômeno em pessoas que não possuem músculos preparados para a tração.

Além disso, atividades que exigem grande esforço dos músculos também podem causar distensão, como erguer algo pesado do chão. Os fatores de risco incluem a velhice, visto que os músculos em uma idade avançada não possuem o mesmo grau de extensão, a falta de condicionamento físico, o sobrepeso, a falta de aquecimento antes de atividades físicas e o cansaço extremo.

Devo procurar ajuda médica em caso de suspeita?

Normalmente o próprio organismo consegue reparar o estrago feito, e assim, conserta as fibras rompidas, absorve os coágulos abaixo da pele e controla a inflamação. Essa é a lesão leve ou de grau 1, que não necessita de maiores intervenções.

  • grau 1 ou leve: Há estiramento das células, mas sem rompimento de fibras ou tendões. A dor, nesse caso, costuma ceder em cerca de 7 dias;
  • grau 2 ou moderado: Há estiramento de células com laceração de pequena intensidade no músculo ou tendão. A dor é extensa e pode durar até 3 semanas;
  • grau 3 ou grave: Há ruptura total do músculo ou tendão, com dor intensa que não cede.

Desse modo, em caso de dor que dura mais de uma semana, sem melhora, é necessário procurar ajuda médica. Nesses casos o médico pode verificar a ruptura por meio de um exame de ultrassom solicitado e assim, aplicar a melhor conduta para a recuperação.

Quais são os tratamentos?

Na distensão muscular de grau 1 pode-se usar anti-inflamatórios para combater a reação do corpo, analgésicos para dor, compressa fria no local, cerca de quatro vezes por dia até que os sintomas melhorem e repouso para não sobrecarregar o músculo.

No entanto, em lesões de grau 2 e 3, incluem, além das medidas do tratamento da distensão de grau 1, sessões de fisioterapia para a total recuperação do músculo. Em alguns casos de distensão grau 3, pode ser necessário intervenção cirúrgica para religar as partes dos músculos e tendões que se separaram no impacto.

Nesses casos, o médico ortopedista é o profissional adequado para avaliar o grau de distensão e indicar o tratamento adequado.

E a prevenção?

A prevenção consiste em manter o músculo forte. Desse modo, quando ele for solicitado em atividades de grande impacto, não ocorrerá estiramento. Atividades como a musculação e luta trabalham todos os músculos do corpo e as caminhadas são indicadas para fortalecer as fibras musculares da perna.

Além disso, não deve-se esquecer de alongar o corpo antes de qualquer atividade física ou que exija atividade dos músculos, seja ela uma simples caminhada ou um passeio de bicicleta. Por fim, manter uma alimentação saudável e beber água também contribui para o fortalecimento muscular e a qualidade de vida.

E então, entendeu o que é distensão muscular e como tratá-la? Se você identificou alguns dos sintomas acima entre em contato conosco, podemos te ajudar a resolver o problema!

Sobre o autor

DR. THALLES LEANDRO ABREU MACHADO

DR. THALLES LEANDRO ABREU MACHADO

CRMMG 45.610

Graduado em Medicina pela Universidade Severino Sombra (2007), Residência em Ortopedia e Traumatologia pelo Hospital Madre Teresa (2011), Especialização em Cirurgia do Ombro e Cotovelo pelo Hospital Madre Teresa (2012). Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (2012), Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo (2013). Membro da Academia Americana de Ortopedia (2016). Cirurgião do Ombro e Cotovelo dos Hospitais Vila da Serra, Unimed BH Contorno, Ipsemg. Preceptor das residências médicas dos Hospitais Unimed BH e Ipsemg. Mestrando em Cirurgia na UFMG (2018).

Deixar comentário.

Share This