Joelho

Tem dúvidas sobre a cirurgia no joelho? Descubra tudo aqui!

cirurgia no joelho

O joelho é uma das articulações mais complexas do corpo, sendo formada por várias estruturas que trabalham em conjunto para permitir que os membros inferiores se movimentem. Pela complexidade e pelo intenso uso dessa articulação em várias atividades do dia a dia, é importante conhecer as diferentes complicações que levam à necessidade de cirurgia no joelho e os cuidados que devem ser tomados nesse caso.

Como essa parte do corpo é muito requisitada, seja para correr, pular ou se levantar, entre outras funções, é comum que o joelho seja alvo de lesões e desgastes. Além disso, existem algumas doenças que acometem as suas estruturas. Em alguns casos, a única forma de resolver o problema é a cirurgia, como nas lesões totais em ligamentos, rupturas de meniscos, lesões de cartilagem, corpos livres e osteoartrose, por exemplo.

Neste artigo, vamos tirar todas as suas dúvidas sobre cirurgia no joelho. Descubra quais são os principais tipos de cirurgia e para quem elas são indicadas, além dos possíveis riscos e dos cuidados necessários para uma plena recuperação. Acompanhe!

Artroscopia

O que é

O procedimento artroscópico permite ao médico diagnosticar e tratar os problemas do joelho de forma minimamente invasiva. Isso porque através de incisões muito pequenas é possível inserir uma câmera de alta resolução que transmite a imagem para um televisor.

Assim o cirurgião consegue diagnosticar os locais de lesões e definir a melhor opção terapêutica. Em alguns casos no mesmo procedimento é possível introduzir, por meio de outra pequena incisão, materiais como bisturis e pinças para realizar reparos nos meniscos, ligamentos, cartilagens e demais estruturas do joelho.

A cirurgia é feita sob anestesia na coluna (raquianestesia e peridural) ou com sedações e anestesia local, o que depende da indicação do médico anestesista e do tamanho do procedimento.

Para quem é indicado

Esse procedimento é indicado para remover ou reparar lesões nos meniscos, reconstruir ligamentos rompidos (como o LCA, o ligamento do joelho que mais comumente sofre ruptura e necessita de cirurgia), retirar fragmentos de cartilagem ou ossos soltos dentro da articulação após trauma e tratamento de tecido sinovial inflamado, por exemplo.

Recuperação

Como a cirurgia não é muito invasiva a recuperação costuma ser tranquila. Nos primeiros 4 dias é indicado repouso relativo, sendo o paciente liberado para andar com muletas na maioria dos casos. Também é indicado aplicar uma bolsa gelada para aliviar a dor e melhorar o inchaço.

As incisões devem ser higienizadas no banho e o curativo deve ser trocado com frequência. Após algum tempo é indicado realizar fisioterapia, o que depende do tipo de lesão tratada.

Riscos

Os riscos são relativamente baixos, mas como todo procedimento cirúrgico pode ocorrer hemorragia, infecções, reação alérgica a anestesia e lesões em outras estruturas.

Artroplastia

O que é

A Artroplastia é uma cirurgia feita no joelho com o objetivo de substituir a cartilagem do joelho doente. Ou seja, é feita uma troca do revestimento do joelho. Nesse caso é colocada uma prótese, feita de liga metálica e um plástico especial chamado polietileno, que imita a cartilagem que existia nessa articulação.

Primeiramente as superfícies de cartilagem lesionadas, localizadas na extremidade do fêmur e da tíbia, são retiradas. Após é feito o posicionamento da prótese, recriando a superfície da articulação para que não haja mais atrito entre os ossos. Um espaçador de plástico (polietilineo) é inserido entre as próteses para potencializar o efeito de mínimo atrito.

A cirurgia é feita sob anestesia na coluna (raquianestesia ou peridural) ou anestesia geral. Após a cirurgia é comum a realização de um bloqueio neurológico para alívio da dor no primeiro dia.

Para quem é indicado

Existem diversos motivos para recomendar a Artroplastia do joelho. Normalmente as pessoas que se beneficiarão são aquelas com dor grave, rigidez no joelho que limita atividades, dificuldade de movimentação e deformidades no joelho (como arqueamento). Além disso, pacientes que já realizaram outros tratamentos sem melhora significativa são candidatos para esse procedimento.

Normalmente a causa mais comum de disfunção nos joelhos e dores crônicas devido a desgastes é a osteoatrose, um tipo de artrite que está relacionada com o desgaste relacionado a idade. Nessa doença a cartilagem que amortece os ossos dos joelhos amolece e se desgasta, provocando dor e limitação.

Outras causas são a artrite reumatoide, doença que causa inflamação e destruição das estruturas do joelho, e a artrose pós-traumática.

Recuperação

Inicialmente o paciente fica internado (por cerca de 2-3 dias), para que o cirurgião possa observar melhor a recuperação e realizar o controle da dor. Após a cirurgia o joelho fica com um curativo compressivo e, se necessário, um dreno, que é retirado após o primeiro dia. O movimento é liberado desde o início e no dia seguinte após a cirurgia o paciente é incentivado à andar com o apoio de muletas.

Para a recuperação total é fundamental que a pessoa faça os exercícios e fisioterapia indicados pelo médico no tempo correto. Afinal, os movimentos do joelho não voltam sozinhos. Também é importante manter as incisões feitas limpas e secas.

O grande beneficio da Artroplastia é a diminuição das dores e a melhora da movimentação.

Riscos

A taxa de complicações após esse procedimento é pequena. Dentre as possíveis pode-se citar a infecção na sutura ou ao redor da prótese, formação de coágulos sanguíneos nos vasos das pernas, problemas nas próteses (como afrouxamento e desgaste precoce) e dor persistente.

A duração da prótese é de, aproximadamente, 15 anos. Em alguns casos esse período pode ser menor, o que constitui um risco. Esse é um fator que depende de algumas variáveis, como as demais estruturas do joelho, uso da articulação (se é leve ou intenso) e a adaptação após a cirurgia.

E então, entendeu quais são os principais tipos de cirurgia no joelho e para quem elas são indicadas? Para a resolução satisfatória do quadro é imprescindível procurar um profissional qualificado e realizar os cuidados pós-operatórios necessários.

Quem sofre com dores nos joelhos e dificuldade de movimentação precisa diagnosticar o problema precocemente, a fim de evitar danos maiores. Agende uma consulta conosco e faça a sua avaliação!

Sobre o autor

DR. EDUARDO LOUZADA DA COSTA

DR. EDUARDO LOUZADA DA COSTA

CRM - MG 46.264

Graduação em Medicina na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Especialização e pós graduação em Cirurgia do Joelho (FELUMA), Mestrado em Cirurgia na Faculdade de Medicina da UFMG, Fellow em Sports Medicine na Stanford University (California - USA), Coordenador do serviço de Cirurgia do Joelho do Hospital da Unimed - BH. Preceptor da Residência Médica do Hospital da Unimed - BH.

Deixar comentário.

Share This